Auge de atividade solar eleva chances de Terra ver auroras, mas também risco de panes

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A cada 11 anos, o Sol alterna seu ciclo de mínimo, quando está mais calmo, e máximo solar, quando atinge o auge de sua atividade. Hoje, vivemos justamente o momento mais ativo, que deve se estender até outubro. Isso significa que, até lá, são maiores as chances não só de ver auroras em locais em que o fenômeno é atípico, mas de sofrer com interrupções em sinais de GPS e internet.

O temor dos cientistas é que um evento da mesma magnitude do de Carrington --a maior tempestade geomagnética já registrada, em 1859-- se repita, o que poderia desencadear uma pane nos sistemas elétricos e de comunicação, deixando o planeta às escuras.

No 1º de setembro daquele ano, o astrônomo inglês Richard Carrington estudava manchas solares quando observou uma imensa explosão luminosa no Sol. Dezessete horas depois, auroras transformaram a noite em dia em toda a América do Norte, chegando até a Colômbia. Também foram vistas em Montevidéu, Uruguai.

O episódio causou interrupções generalizadas nos sistemas de telégrafo de todo o mundo, o meio de comunicação mais moderno na época, e as correntes induzidas da tempestade até incendiaram alguns terminais, segundo publicações. Mas também houve relatos de operadores de telégrafo que conseguiram manter conversas por duas horas mesmo com os equipamentos desligados, usando só a energia da atmosfera.

"Dependendo da intensidade da tempestade, as partículas podem romper algumas linhas do campo magnético da Terra, que ficaria menos protegida da atividade solar. Em uma situação bem extrema daquelas, de 1859, se voltar a ocorrer, nossos aparelhos domésticos poderiam ter panes elétricas e dar choques à toa", explica Marcelo Zurita, astrônomo da Bramon (Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros).

"Se fosse nos dias de hoje, num momento em que nos encontramos na era de comunicação digital, o prejuízo --não só o financeiro-- seria incalculável", completa Marcel Nogueira de Oliveira, físico do Observatório Nacional.

A inversão do polo magnético do Sol

A previsão de que o atual máximo solar vai até outubro deste ano foi feita por um painel de cientistas de várias agências internacionais --a projeção mostra antecipação de um ano no auge em relação à anterior, de 2019.

A estimativa do grupo é que o atual máximo tenha entre 137 e 173 manchas solares por mês. Maio deste ano, por exemplo, acumulou 171, conforme medição do Centro de Previsão Climática Espacial, do NOAA (Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA).

A catalogação dos ciclos solares começou em janeiro de 1749. Mas as manchas são vistas há mais de 2.000 anos, muito antes da invenção do telescópio no início do século 17. Textos de Teofrasto, filósofo grego que viveu entre 372 e 287 a.C., já mencionavam o fenômeno, assim como registros do império chinês desde o ano 165 a.C.

Com o passar do tempo e o avanço da qualidade dos equipamentos ópticos para estudar o astro, foi possível observar o que acontece em sua coroa e coletar dados da radiação solar em diferentes comprimentos de onda, como raios X, luz visível e raios gama.

Assim, foi identificado que no máximo solar é quando a estrela joga diariamente no espaço bilhões de toneladas de partículas carregadas que interferem no campo magnético terrestre. Isso aconteceu em uma ejeção de massa coronal em 10 de maio deste ano, acarretando a maior tempestade geomagnética em mais de duas décadas, classificada como extrema.

À época, a tempestade se traduziu em auroras em diversos países, entre os quais alguns onde o fenômeno é incomum, como Chile, Argentina e México.

A Starlink, braço de satélites da SpaceX, de Elon Musk, chegou a fazer um alerta sobre um "serviço degradado" como consequência da tempestade geomagnética. A empresa possui cerca de 60% dos cerca de 7.500 satélites que orbitam a Terra e é dominante na internet via satélite.

Em fazendas nos Estados Unidos, equipamentos que dependem de GPS deixaram de funcionar, segundo o jornal The New York Times.

Atividade solar de 10 a 16 de junho deste ano

Nesses sete dias, o Observatório de Dinâmica Solar da Nasa registrou 20 erupções solares da classe M, uma da classe X (a maior), 31 ejeções de massa coronal e 1 tempestade geomagnética

Previsão espacial tenta antecipar tempestades

Para tentar entender melhor a dinâmica solar e prever possíveis tempestades extremas, há três sondas de olho apenas no astro: a Solar Orbiter, da ESA (Agência Espacial Europeia), a Parker Solar, da Nasa (Agência Espacial dos EUA) e a Aditya-L1, lançada em setembro passado pela Índia.

Apesar desse big brother espacial, não haverá muito tempo para os cientistas reagirem a uma tempestade desse nível. No caso das erupções solares, as partículas chegam à Terra em oito minutos, por viajar na velocidade da luz. As ejeções de massa coronal mais poderosas demoram entre 18 e 24 horas. E os ventos solares de alta velocidade provenientes das manchas, cerca de dois dias.

Esse é o tempo em cada um dos tipos de fenômeno que os cientistas teriam para desligar os equipamentos suscetíveis a danos devido a tempestades geomagnéticas e evitar viagens aéreas nas regiões dos polos.

Alessandra Pacini, doutora em geofísica espacial pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e hoje cientista da divisão de clima espacial da NOAA, diz que uma forma de previsão é observar as regiões mais ativas do Sol mais atentamente.

"Observamos essa área através da composição magnética em raios X e, como o movimento de rotação do Sol é de 27 dias, conseguimos saber com até um mês de antecedência que essa área complexa vai rodar e aparecer no leste do Sol em 27 dias. Então, mudamos as probabilidades de ocorrência de flare. Isso ocorreu em maio, quando houve uma série de tempestades no mesmo lugar", afirma Pacini.

Marcel Oliveira, do Observatório Nacional, reforça que o investimento nesse campo de pesquisa é a chave para melhor entendermos o Sol e, assim, aperfeiçoar as ferramentas de previsão de eventos extremos. "Se soubermos com determinada antecedência que um evento assim está para ocorrer, podemos tomar as medidas necessárias para mitigar os estragos."

OTHER NEWS

2 hrs ago

Dunga passa bem após capotar o carro e tem alta do hospital apenas com arranhões

2 hrs ago

Zenit pede meia do Flamengo para liberar Claudinho

3 hrs ago

Grêmio vence o Operário-PR e se classifica para as oitavas de final da Copa do Brasil

3 hrs ago

Euro 2024: as explicações para a escolha de Rodri como MVP

3 hrs ago

Micro, padrão e plug-in; conheça os tipos de carros híbridos que existem

3 hrs ago

Esta vitamina diminui o risco de câncer de intestino; saiba qual

3 hrs ago

Mesmo com um jogador a mais, Chapecoense fica no empate com o Brusque pela Série B e se aproxima do Z4

3 hrs ago

Ex-Palmeiras crava sobre possível ida de Kevin Serna ao Fluminense: 'Grande salto na carreira'

3 hrs ago

'Meu Malvado Favorito' é primeira franquia animada a ultrapassar os US$ 5 bilhões

3 hrs ago

Conheça o árbitro da final da Eurocopa 2024; veja lista de todos os juízes do torneio

3 hrs ago

Oficial: Mafra anuncia Vítor Gonçalves

3 hrs ago

Bahia: Rogério Ceni ganha desfalque importante para partida contra o Corinthians

3 hrs ago

Shelley Duvall: além do papel de vítima nos filmes, sua carreira foi muito mais

3 hrs ago

Por que torcida do Vasco vaiou Neymar na apresentação de Philippe Coutinho?

3 hrs ago

Torcida do Palmeiras se divide na web sobre futuro de Marcos Rocha

3 hrs ago

Vídeo obtido por site mostra instante em que suspeito atira em Trump

3 hrs ago

Neemias em bom plano na estreia na Summer League

3 hrs ago

Alberto Fujimori será candidato à Presidência do Peru em 2026

3 hrs ago

Com um a mais, Chapecoense arranca empate na Arena Condá

3 hrs ago

Redes sociais viraram problema de saúde pública e precisam de regulamentação, diz ministro à CNN

3 hrs ago

Biden pede calma ao país depois de atentado contra Trump

3 hrs ago

Após derrota, Bellingham descarregou assim a raiva… (vídeo e fotos)

3 hrs ago

Oficial: Benfica 'amarra' promessa que não conheceu outro clube na vida

3 hrs ago

Por que motivo César Mourão e Júlia Palha chegaram à antestreia de novo filme num carro funerário? O ator responde!

3 hrs ago

Anota as 7 cores tendência que vão transformar as casas em 2025

3 hrs ago

IA Copilot do OneNote vai entender sua letra, mesmo se for horrível

3 hrs ago

Terminam amanhã as inscrições para Concurso Público da UNIFESP

3 hrs ago

Presidente do Zenit frustra planos do Flamengo em meio a interesse em Claudinho

3 hrs ago

Santos e Léo Baptistão chegam acordo sobre duração de contrato; confira

3 hrs ago

Colombianos invadem estádio da final da Copa América; veja imagens e detenções

4 hrs ago

Como aliviar dor nas costas: aprenda 4 macetes simples

4 hrs ago

De volta à elite na Itália, Como trabalha por 'pacote pesado' de reforços

4 hrs ago

Harry Kane lamenta perda da Eurocopa com a Inglaterra: 'Dolorido'

4 hrs ago

Santos recebe sondagens e define futuro de Morelos

4 hrs ago

Ídolo do Internacional defende Roger Machado como técnico: "Chegou a hora"

4 hrs ago

Di María titular no último jogo pela Argentina

4 hrs ago

Custou 80 milhões ao Arsenal e agora pode reforçar o Las Palmas

4 hrs ago

Videó: Nyugdíjas férfi motorizált dodgem-autót készít

4 hrs ago

Hirakawa celebra primeira vitória do Toyota #8 na temporada do WEC: “Fazia muito tempo”

4 hrs ago

Narrador confunde bandas na abetura da Eurocopa e web brinca: 'Quase morri'

ALONGWALKER VIETNAM: Kênh khám phá trải nghiệm của giới trẻ, thế giới du lịch ALONGWALKER INDONESIA: Saluran untuk mengeksplorasi pengalaman para pemuda global