Estado de emergência no território francês da Nova Caledônia após quatro mortes em distúrbios

estado de emergência no território francês da nova caledônia após quatro mortes em distúrbios

Carros incendiados e destroços nas ruas de Noumea

O presidente da França, Emmanuel Macron, decidiu nesta quarta-feira (15) declarar estado de emergência no território francês da Nova Caledônia, onde os distúrbios contra uma reforma do censo eleitoral deixaram quatro mortos, entre eles um gendarme, e centenas de feridos desde segunda-feira.

"Qualquer ato de violência é intolerável e será objeto de uma resposta implacável para garantir o restabelecimento da ordem", afirmou um comunicado da Presidência francesa. Um Conselho de Ministros aprovará o estado de emergência.

Os protestos começaram na segunda-feira, quando a Assembleia Nacional, a Câmara dos Deputados francesa, começou a debater em Paris uma reforma do censo eleitoral deste território colonizado pela França no século XIX.

Atualmente, apenas os eleitores registrados em 1998 e seus descendentes podem participar nas eleições regionais do arquipélago do Oceano Pacífico, que tem 270.000 habitantes.

Os independentistas consideram que a ampliação do censo eleitoral, que permitirá o voto dos que se estabeleceram mais recentemente na ilha, resultará na redução da influência proporcional dos residentes originais Kanak nas instituições locais, que têm amplas atribuições transferidas por Paris.

Após a primeira noite de graves distúrbios na segunda-feira, com incêndios, saques e tiros contra a polícia, as autoridades do território decretaram um toque de recolher, proibiram reuniões públicas e fecharam escolas e o principal aeroporto.

Porém, "os graves problemas de ordem pública continuaram na terça-feira, com incêndios e saques de estabelecimentos comerciais, infraestruturas e estabelecimentos públicos, incluindo várias escolas", admitiu nesta quarta-feira o Alto Comissário - representante do Estado francês -, Lous Le Franc.

"Imagine o que aconteceria se as milícias começassem a atirar contra pessoas armadas", disse Le Franc, que citou uma situação "insurrecional" no arquipélago.

As autoridades francesas indicaram que quatro pessoas morreram, entre elas um gendarme de 22 anos que foi baleado, e que também há centenas de feridos, incluindo cerca de 100 agentes das forças de segurança.

- "Solução política global" -

Os protestos contra a reforma não impediram o avanço do processo parlamentar em Paris,

Porém, por tratar-se de uma reforma constitucional, a medida também deve ser submetida à votação conjunta das duas câmaras e obter mais de 60% de apoio para ser aprovada em definitivo.

Macron anunciou que convocará esta sessão "antes do final de junho", exceto se os independentistas da Nova Caledônia e os partidários da permanência na França aprovarem uma reforma alternativa.

O primeiro-ministro francês, Gabriel Attal, afirmou nesta quarta-feira que vai propor "nas próximas horas" uma data às partes para uma reunião em Paris para "construir uma solução política global".

"A prioridade é restabelecer a ordem, a calma e a serenidade", acrescentou Attal, em um cenário de pressão sobre o governo de Macron por parte da oposição de direita, que pediu um decreto de estado de emergência.

Em uma declaração conjunta, os principais partidos independentistas e leais à França pediram "calma" à população, "apesar da situação insurrecional".

Localizado 1.200 quilômetros ao leste da costa da Austrália, este arquipélago é um dos muitos territórios que a França têm no Pacífico, no Oceano Índico ou no Caribe.

Graças ao acordo de Noumea de 1998, Paris delegou mais poder político à Nova Caledônia e já permitiu a organização de três referendos, todos com derrotas para a proposta de independência.

Este pacto também congelou o censo para as eleições provinciais no território, nas quais não podem votar quase 20% dos eleitores.

Por considerar o dispositivo "absurdo" e contrário aos princípios democráticos, o governo francês propôs uma reforma constitucional para incluir as pessoas estabelecidas na Nova Caledônia há pelo menos 10 anos.

Os independentistas kanak temem que a ampliação beneficie os partidos próximos ao governo de Paris e reduza sua influência.

Para a oposição de esquerda na França, Macron é o responsável pela situação atual, ao impor uma reforma que prejudica o acordo de Noumea.

"Presidente Macron, estenda a mão! “Faça gestos simples que salvem vidas e a nossa honra como povo francês aos olhos do mundo!”, apelou o líder da esquerda radical Jean-Luc Mélenchon.

md-neo/dbh-tjc/zm/fp/jb

OTHER NEWS

2 hrs ago

Ataques com drones provocam vários incêndios em Kharkiv

2 hrs ago

Receita abre consulta no dia 23, a lote de restituição do IR, maior da história, com R$ 9,5 bi

2 hrs ago

"Amigo". Identificado britânico que morreu em voo da Singapore Airlines

2 hrs ago

RN de França deixa de se sentar com parceiro alemão no Parlamento Europeu

2 hrs ago

Este surpreendente thriller é atualmente o filme mais visto da Netflix em todo o mundo

2 hrs ago

Guardas prisionais filmados a agredir reclusos

2 hrs ago

Colesterol alto? Estes alimentos têm um enorme impacto na sua saúde

2 hrs ago

Mãe de Mbappé: «Onde vai jogar? Vocês já sabem todos, não é?»

2 hrs ago

Netflix pisa na Globo e deixa público sonhar com novela boa

2 hrs ago

Kevin Costner nega culpa por fim da série mais vista da TV

2 hrs ago

Um morto em voo? Turbulência será cada vez mais comum, diz especialista

2 hrs ago

Conta de Donald Trump nas redes sociais partilhou vídeo com referência nazi

2 hrs ago

Renascer: Inácia cansa de mentir e faz proposta ‘irrecusável’ para Teca: “A verdade”

2 hrs ago

Esposa de Tony Ramos detalha quadro de saúde do ator após 2ª cirurgia

2 hrs ago

Soberania legitima relações entre a Rússia e países africanos

2 hrs ago

LiveWire está a desenvolver um antigo conceito de E-Bike da Harley-Davidson?

2 hrs ago

Polícia quer saber como Matthew Perry conseguiu droga que o matou

2 hrs ago

Jojo Todynho mostra quarto de filho adotado em Angola

2 hrs ago

Nico Hulkenberg explica por que Mônaco é tão especial: "No fio da navalha

2 hrs ago

Definição de sucesso na Ucrânia

2 hrs ago

A batalha dos ministérios da Rússia

2 hrs ago

Rapaz de 10 anos morre após ser arrastado para esgoto. Família doa órgãos

3 hrs ago

São Paulo de Casares acerta patrocínio com a Coca-Cola; confira os detalhes do acordo

3 hrs ago

Polizei beschlagnahmt Fiat-Autos wegen Missbrauchs der italienischen Flagge

3 hrs ago

Video divertente: conosci il gatto che odia di più il bagno al mondo

3 hrs ago

Os 30 pré-convocados da Eslovénia: várias caras conhecidas dos portugueses

3 hrs ago

Roberto Carlos vai dar três concertos em Portugal este ano

3 hrs ago

Despedir Xavi custa uma fortuna. Deco só vislumbra duas soluções

3 hrs ago

Jornal revela pedido de Ancelotti após Kroos anunciar sua aposentadoria

3 hrs ago

Que conexões têm supostos golpistas da RDC com Moçambique?

3 hrs ago

"Estou noutro campeonato". Milei ataca e chama "cobarde" a Sánchez

3 hrs ago

Pedra Nos Rins: O Que É E Quais São Os Tratamentos

3 hrs ago

Vai ter greve no Metrô de São Paulo? Veja o que ficou decidido pela categoria

3 hrs ago

Avareza é o 'nome do meio' destes três signos. Espreite a lista

3 hrs ago

Schattige video: Aapjes raken bijna in een gewelddadige strijd om flesje

3 hrs ago

Ivan Moré faz análise e indica desfecho de Gabigol fora do Flamengo: "A gente sabe"

3 hrs ago

Fan vira berømt for dans under sit holds sejr

3 hrs ago

Amelia Earhart atravessou Atlântico sozinha (e fez história) há 92 anos

3 hrs ago

As Causas. Racismo, imigração e 'maniqueísmo'

3 hrs ago

Xabi Alonso: «Referência? Também aprendo com os jogadores»

Kênh khám phá trải nghiệm của giới trẻ, thế giới du lịch